OSCAR: indicamos filmes que você pode ver em casa. Agora: “Era uma vez um sonho”

Últimas Notícias

No domingo, 25, é dia de Oscar. Nestes tempos de pandemia, com dificuldades para salas de cinema em todo o mundo, muitos dos filmes que concorrem nas diversas categorias da principal premiação do cinema mundial estão disponíveis em serviços de streaming, como Netflix e Amazon Prime.

Então, vários dos indicados em diversas categorias estão a um clique de você. Pra te ajudar a maratonar e estar bem-informado para a cerimônia de domingo, vamos trazer a partir de hoje informações sobre alguns dos indicados, impressões sobre o que nossos jornalistas acharam  – sem a pretensão de sermos exímios críticos de cinema. Apenas compartilhamos opiniões pessoais sobre como fomos impactados pelas obras que disputam o Oscar 2021.

Era Uma Vez um Sonho

O filme concorre nas categorias de Melhor Cabelo e Maquiagem e Melhor Atriz Coadjuvante.

Dirigido por Ron Howard (Oscar de Melhor Direção por Uma Mente Brilhante), é baseado no livro autobiográfico de J.D Vance, “Hillbilly Elegy: A Memoir of a Family and Culture in Crisis” (Elegia Caipira: Memórias de uma Família e uma Cultura em Crise).

O filme conta a história da família de J.D, um “caipira”, que tenta romper o fraturado ciclo familiar – marcado por uma mãe viciada, figuras masculinas repressoras, pobreza – para ser o primeiro Vance a ingressar na universidade.

O filme acompanha J.D que, já na faculdade, têm que voltar para sua cidade do interior em socorro da mãe, vítima de overdose de heroína. A história se desenrola com flashbacks da infância de J.D e os desafios que ele enfrentou para cursar Direito na Universidade de Yale.

É durante as passagens da infância que surge a avó de J.D, Mamaw, vivida por Glenn Close. A atuação muito próxima à Mamaw da vida real – já falecida – rendeu a Close a indicação para Melhor Atriz Coadjuvante. O trabalho de caracterização de Close para que ela ficasse parecida com Mamaw rendeu à equipe do filme a indicação para  Oscar de Melhor Cabelo e Maquiagem – nos créditos finais do você pode conferir fotos da vida real e notar como a caracterização ficou perfeita.

O livro que deu origem ao filme fala de uma família tipicamente americana no interior, “caipiras americanos” e de como a cultura deste contexto se encontra em crise. Boa parte da crítica aponta a falta de profundidade em abordar o tema e a construção estereotipada dos personagens como os principais problemas do filme.

Para além das observações sempre válidas da critica especializada, nós gostamos do filme, especialmente porque trata de temas sobre a influência familiar na construção de quem somos hoje. Como nos tornamos quem somos? Como as relações familiares influenciam as pessoas que nos tornamos, as escolhas que fazemos? O filme conduz você a lembrar o passado, revisitar e refletir sobre como acontecimentos da infância, da adolescência,  interferem no agora.

Achamos que vale a pena. Tá na Netflix.

Notícias Relacionadas

Investimento de R$ 674 milhões reforça sistema de energia e acompanha crescimento de MS

Somando investimentos e manutenção de estrutura operacional, a projeção é que mais de R$ 1,27 bilhão sejam injetados Mato Grosso...