Bonito registra mais de 700mm de chuva em dois meses e prefeitura decreta situação de emergência

Últimas Notícias

A Prefeitura de Bonito publicou no começo da noite desta quinta-feira (2), decreto nº 35, que reconhece situação anormal, caracterizada como de emergência devido as fortes chuvas janeiro e fevereiro, que segundo relatório da Defesa Civil do Município, superam em 121% a média histórica para este período, chegando a 729,5 mm no acumulado dos dois meses.

Conforme o documento, a média histórica de pluviometria para os meses de janeiro e fevereiro, em Bonito/MS, são de 189,5mm e 140,2mm, segundo o Centro de Monitoramento do Tempo e Clima do Mato Grosso do Sul (CEMTEC), sendo que neste ano registrou-se 234,5mm e 495mm, respectivamente, segundo monitoramento realizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMA), sendo que 173 mm foram registrados apenas no dia 24 de fevereiro, num intervalo de 6 horas, causando diversos pontos de alagamentos e deixando pessoas ilhadas, tanto na área urbana como rural.

Segundo relatório da Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros registrou no dia 24/02, seis ocorrências de alagamento e no dia 25/02 mais cinco ocorrências na área urbana e na Ponte do Córrego Anhumas, cerca de 15km da cidade. A Guarda Municipal e Secretaria de Assistência Social atenderam outras três ocorrências de alagamento em residências no dia 24/02.

Vídeo: casas são alagadas após córrego transbordar em Bonito

Enchente chega durante a madrugada e surpreende famílias no distrito Águas do Miranda

 

Na área rural a chuva provocou erosões em estradas vicinais, abertura de dolinas, carreamento de sedimentos e assoreamento nos Rios Formoso, Mimoso, Anhumas/Formosinho e seus afluentes. Estes rios também saíram de seus leitos e provocaram danos ao patrimônio particular, especialmente em atrativos turísticos (como foi o caso do Parque das Cachoeiras, que está no Rio Mimoso), fragilizou pontes e causaram a interdição temporária de estradas vicinais.

Ainda na área rural, o Distrito Águas do Miranda e suas localidades Loteamento do Noé, Volta Grande e Córrego da Onça, que ficam a 70km do núcleo urbano, sofreram com a cheia do Rio Miranda, que atingiu mais de 9,5m acima do leito na terça-feira, dia 28/02/23, deixando 10 famílias desabrigadas e 29 famílias desalojadas, além de 20 famílias ilhadas no Loteamento do Noé.

O decreto ainda pontua que o município possui atualmente, mais de 70 mil hectares de área de lavoura, que estão em fase de colheita e escoamento da produção, que estão sendo prejudicados pelas condições das estradas, bastante danificadas pelas chuvas.

Em relação ao turismo, outra importante fonte de renda do município, o documento destaca os danos causados em atrativos, bem como o tempo em que estão fechados, deixando de gerar receita, tanto para os proprietários quanto para o município, como é o caso do Balneário Municipal, que segue fechado e sem previsão de reabertura devido ao nível do Rio Formoso.

Atrativos no Rio Formoso seguem fechados devido ao volume de água

O decreto tem como objetivo autorizar a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem nas ações de reposta necessárias e minimizar os efeitos causados pela chuva, bem como autorizar compras e serviços emergenciais sem necessidade de licitação.

Confira o decreto na íntegra:

Decreto nº 35, 02-03-2023_000658 relatorio_preliminar_24fev23_

Notícias Relacionadas

Empresário de Bonito morre em acidente com anta na BR-060

O empresário Carlos Dias Miranda, 63 anos, proprietário da Casa do Criador, morreu em acidente na BR-060, próximo a...