Bonito é ser bonitense!

Últimas Notícias

Por Tania Pellin

Entre tantos lugares que encantam pela beleza, é aqui neste pedacinho do paraíso que habitamos. Bonito das águas claras, mas também dos amores pela sua gente, dos bichos, dos encantos, dos sorrisos e dos ipês. Bonito é nascer aqui, morar aqui, trabalhar, passear, divertir, tirar fotos, nadar, caminhar, namorar, comer peixe, estudar, brincar nas praças.

Bonito e respirar, amar, viver, sorrir. Bonito é ser bonitense.

Seja Bonitense com a gente!

Ah, Bonito, que tens um apelido: “BYO” “Capital brasileira do ecoturismo, como apreciamos viver aqui. Uma cidade simples com um povo de carisma contagiante.

Deixe-nos te contagiar? Venha passear desfrutar a natureza e ver gente feliz.

Como falar em Bonito, sem citar a ave símbolo deste deleitoso lugar, o Udu de Coroa Azul, uma ave que traz em sua plumagem as cores azul, verde e amarelo, tem um canto semelhante ao de uma coruja, sendo mais frequente ao amanhecer e ao entardecer. Uma ave encantadora e radiante, pouco vista na cidade, sendo mais comum nas matas da região.

Foto: Agência Sucuri.

Nesta deslumbrante cidade, com uma fauna privilegiada, somos surpreendidos todos os dias com algumas espécies de aves como araras, tucanos entre outros. Às vezes durante a noite, quando a cidade fica silenciosa os tamanduás passeiam livremente nas praças e avenidas da cidade. Uau, quem aqui não tem um conto? Uma onça pintada na porteira da fazenda, outra na estrada de acesso à cidade, e até onça com filhotes próximo a um dos conjuntos habitacionais. Quanta emoção!

Contemplar este refúgio com suas águas cristalinas, abençoado por Deus, onde o Criador fez jorrar as nascentes nos vales, as águas correrem entre os montes, onde bebem todos os animais selvagens e os jumentos selvagens saciam a sua sede. As aves do céu fazem ninho junto às águas e entre os galhos põem-se a cantar (Salmos 104: 10-12).

 Bonito é este lugar por onde os pássaros se põe a cantar e os macaquinhos a saltar, o Balneário Municipal é parte deste santuário do qual nos fala os Salmos 104: 10-12, e o Macaco-Prego é o personagem de todas manhãs a encantar os que visitam o balneário. Curioso e de hábito diurno vive em grupos de 8 a 20. Frequentemente os encontramos nos balneários, trilhas e passeios locais. Os mesmos são encantadores, e claro, atrevidos. Gostam de driblar os turistas desatentos, levam seus pertencentes das bolsas entreabertas, e, desaparecem por entre as muitas árvores na mata ciliar.

Confesso, um dia destes fiquei seduzida e perplexa ao ver um macaco de porte reduzido com uma lata de certo refrigerante. Me atrevi e cheguei bem perto, ele nem me notou. Estava tão excitado com a possibilidade de tomar algo que continha na lata, que nem se deu conta da minha presença. Parecia doce ao seu paladar. Semelhante a um bebê com um pirulito.

Nesta observação, pude perceber o quanto interferimos em seu habitat natural. O indefeso macaquinho-prego capturou a lata em uma das muitas lixeiras contidas no local. Se apropriou dela, se deliciava com o conteúdo adocicado que continha na mesma.

Embora o cuidado com a fauna e flora seja constantemente acompanhado, não podemos impedir que produtos acabem em suas patinhas, e os mesmos sejam consumidos. Temos por aqui muitas placas, destacando a importância em não alimentar os animais com produtos ultra processados, os mesmos são desaconselhados pois podem causar reações aos animais da fauna local. Mas se por ventura, não conseguir se conter, os alimente com frutos silvestres ou tropicais, eles se deliciarão, e não trará consequências a saúde dos mesmos.

Bonito, destino certo para relaxar, fugir das grandes cidades agitadas e barulhentas. Aqui, você encontra o sossego que deseja, e nas suas aventuras em meio a natureza pode ser surpreendido com algo inesperado.

Venha conhecer este paraíso, se encantar com sua fauna e amar a sua gente, somos bonitenses com amor.

Venha ser Bonito.

Tania é graduada em Pedagogia pela Faculdades Integradas de Naviraí –
FINAV, em 1996, Naviraí/MS. Especialista em Psicopedagogia pelo Centro
Universitário da Grande Dourados – UNIGRAN, em 2007, Dourados/MS. Atua como
professora na Fundação Lowtons de Educação e Cultura – FUNLEC/ Bonito/MS.

Notícias Relacionadas

Parafusos de geleia – parte II

Por Tania Maria Pellin Continuando com nosso diálogo, sobre os efeitos do “não” na vida de nossas crianças e dificuldades...

Parafusos de geleia

Mundo invertido do “Reizinho mandão”

Troca perigosa

Educação se faz com amor