Com forte demanda do Setor Rural, Conselho do FCO já aprovou R$ 638 milhões em financiamentos

Últimas Notícias

A segunda reunião deste ano do CEIF-FCO (Conselho de Investimentos Financiáveis pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste), realizada na manhã desta sexta-feira (12), na Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), continua com demanda crescente do Setor Rural por financiamento.

Foram apreciadas e aprovadas mais 93 cartas-consultas que totalizam R$ 231.575.346,13 de financiamentos para o Setor Rural e 12 cartas-consultas num aporte de R$ 108.996.523,60 para o Setor Empresarial. Na reunião do mês passado – a primeira do ano – já haviam sido aprovadas 112 cartas-consultas num total de R$ 298 milhões contemplando os dois setores.

“Há um forte ativismo em termos de demanda do Setor Rural, focado principalmente na aquisição de máquinas e equipamentos. Isso é compreensível, Mato Grosso do Sul, segundo dados da Conab, teve o segundo maior crescimento de área plantada no país, o que naturalmente gera uma demanda forte por máquinas, principalmente colheitadeiras. E essa é uma tendência: o agro continuar a apresentar boa rentabilidade, já que o bom desempenho do setor justifica essa ampliação”, analisou o secretário da Semagro e presidente do CEIF-FCO, Jaime Verruck.

Chamou a atenção do secretário a crescente presença de outros agentes financeiros na linha de financiamento nesse ano. “Além da atuação do Banco do Brasil, o principal operador do FCO, notamos a participação importante do BRDE e do sistema cooperativista através do Sicredi. Temos todo interesse em incentivar as cooperativas, conseguimos mudar a legislação e hoje o Sicredi já começa a ter um protagonismo significante nas operações de FCO”, disse.

Ainda no setor rural, aparecem demandas importantes na pecuária como reformas de pastagens, aquisição e retenção de matrizes bovinas. “É o produtor procurando investir em diversificação, o que está muito alinhada à estratégia de desenvolvimento da política agrícola do Mato Grosso do Sul”, pontuou Verruck.

Por outro lado, o secretário destaca que, “cada vez mais o FCO fica pequeno sob o ponto de vista da demanda do Estado”. Nesse sentido, há uma ação política forte para ampliar a base de volume de recursos disponibilizados, que está na média de R$ 2 bilhões há ……….. anos. Com a forte demanda do setor rural consolidada, Verruck entende que é preciso “não perder de vista a necessidade de ampliar a participação do Setor Empresarial.” Para tanto, pretende definir estratégias conjuntas com a Fecomércio, Sebrae, Fiems, sobretudo para intensificar a divulgação das vantagens do FCO junto aos empresários.

Mato Grosso do Sul terá disponível R$ 1,698 bilhão em recursos do FCO no ano de 2021 para o financiamento de novos empreendimentos rurais e empresariais. Em 2020 foram realizadas 3.371 operações de crédito no FCO, sendo 1810 no Rural e 1561 no Empresarial, que utilizaram 100% do total de R$ 1,5 bilhão disponíveis para Fundo no ano passado.

Fonte: Semagro

Notícias Relacionadas

Mato Grosso do Sul abriga maior área contínua de Mata Atlântica no interior do país

Com 6,3 milhões de hectares de seu território localizados dentro do bioma, Mato Grosso do Sul abriga a maior...