Turismo de pesca esportiva volta a aquecer e Estado mantém cota: um exemplar e cinco piranhas

Últimas Notícias

Pousadas, pesqueiros e hotéis que operam com pesca esportiva em Mato Grosso do Sul estão otimistas para a temporada de 2021, que se iniciou em fevereiro, com o pesque-solte no Rio Paraguai, e se estende de março a outubro em todos os rios do planalto e da planície – período de vigência da cota de captura. O Governo do Estado anunciou que será mantida a cota de um exemplar e mais cinco piranhas, conforme o decreto nº 15.375, de 28 de fevereiro de 2020.

“Por decisão do governador Reinaldo Azambuja, o Estado não vai alterar a política de pesca aplicada desde o ano passado, mantendo o pesque-solte, em fevereiro, e a cota estabelecida para o resto do ano, até outubro, respeitando-se o período de defeso, de novembro a fevereiro”, informa o secretário Jaime Verruck, da Semagro (secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

A legislação pesqueira em vigor reduziu a cota de cinco quilos e mais um exemplar de qualquer tamanho para apenas um exemplar de espécies nativas (respeitando os tamanhos mínimos e máximos) para o pescador amador, que tem ainda a opção de capturar e transportar cinco piranhas. O decreto manteve a cota do pescador profissional, de 400 quilos, e garantiu fonte de renda às comunidades ribeirinhas, que comercializam pescado e iscas vivas.

Temporada promete

Depois da suspensão da atividade por até quatro meses em 2020, devido a pandemia do coronavírus, e uma retomada tímida em alguns destinos em agosto do mesmo ano, como em Corumbá, a temporada da pesca esportiva em 2021 deverá reconquistar os turistas para os rios das bacias do Paraguai e do Paraná. O setor está confiante com o cenário que se desenha, onde as reservas estão se processando no ritmo das grandes temporadas.

“A chegada da vacina (contra a covid-19) deu uma animada e já percebemos uma retomada, os agendamentos estão se confirmando e esperamos um bom ano de pesca”, afirma a empresária Rubiane Pazeto, de Coxim, um dos principais polos de pesca esportiva do Estado. “Tivemos muitos cancelamentos em 2020, por conta também do lokdau na cidade, e conseguimos operar apenas no último mês de pesca”, completa.

Rubiane é dona do barco Chalana Vitória Abençoada (contato: 99951.5395), que tem capacidade para 18 pessoas e opera no Rio Taquari, até a uma distância de 190 km da cidade, que fica situada na região Norte do Estado e a 250 km de Campo Grande pela BR-163. Outro empresário da região que está otimista com a temporada é Luis Alexandre Carvalho, do Hotel Rio Coxim (contato: 99939.6861). Ele atua com pesca e passeios ecológicos.

“No ano passado conseguimos operar com um grupo apenas, mas com certeza vamos recuperar o prejuízo em 2021. A procura pelo destino voltou, os pescadores estão confirmando reservas e a expectativa é das melhores”, diz Carvalho, que está investindo na construção de um rancho de pescador na beira do Taquari. Ele lembra que a fama da pesca em Coxim atrai grandes personagens, como o cantor e compositor João Bosco.

Rios se recuperam

Outros destinos de pesca também estão apostando em um bom ano, como a região do distrito de Águas de Miranda (conhecido como “21”), em Bonito; Miranda, Porto Murtinho, Aquidauana e Corumbá. A concentração de chuvas desde janeiro, com precipitações acima da média no período, recompôs os principais afluentes do Rio Paraguai. O rio Miranda atingiu cota de alerta e o Aquidauana e o Taquari estão com níveis normais.

“Estamos acreditando na recuperação, o peixe voltou a aparecer e os clientes estão se reorganizando para retornar a Murtinho”, afirma Marco Aurélio Nunes, dono da Pousada do Pescador (contato: 99182.6733). O empresário reformou seu empreendimento, hoje com 63 leitos e uma estrutura de lanchas e botes de 30 a 200 HP e está confiante. “O Pantanal tem um apelo muito forte e recebemos turista de todo o Brasil, o ano de 2020 é passado”, aposta.

Em Corumbá, a expectativa é de receber 30 mil pescadores na temporada – média dos últimos anos, exceto 2020. A cidade tem a maior estrutura para a pesca esportiva em operação no Rio Paraguai: 30 barcos-hoteis, com capacidade entre 30 a 100 pessoas. Hoje operam com lotação restrita e rigoroso controle de biossegurança. No Passo do Lontra e no Porto da Manga, com acesso pela Estrada-Parque, hotéis, pousadas e pesqueiros estão operando normalmente.

Subsecretaria de Comunicação

Notícias Relacionadas

Decreto municipal libera abertura de atrativos turísticos em Bonito

Novo decreto municipal, assinado pelo prefeito Josmail Rodrigues, inclui atrativos turísticos, serviços de hotelaria e hospedagem em geral na...