No Pantanal do Nabileque, implantação da estrada do Naitaca tira região do isolamento

Últimas Notícias

Integrando o pacote de obras de infraestrutura em execução pelo Governo de Mato Grosso do Sul no Pantanal – são mais de 600 km de ramais rodoviários, totalizando investimentos de R$ 350 milhões – a ligação da ponte do Naitaca (MS-382) com a MS-195 sonhada há mais de 40 anos pelos pantaneiros já é uma realidade. São 24,47 km de implantação de estrada com revestimento primário (cascalhada), que muda o cenário de uma região isolada.

A obra fica localizada no Pantanal do Nabileque, entre os municípios de Corumbá, Miranda e Porto Murtinho. Cortando as regiões Sul e Sudoeste, desde Antônio João (fronteira com o Paraguai), a MS-382 cruza a Serra da Bodoquena e chega à ponte do Rio Naitaca. Do outro lado, na planície, a MS-195 se interliga à esquerda da MS-243 (acesso ao Rio Nabileque) em direção ao Naitaca, mas a estrada finalizava a 30 km da ponte. Um vazio cortado apenas por um acesso precário, aberto pelos moradores.

Obra será antecipada

O novo traçado em execução pela Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) é um projeto arrojado, rompendo o isolamento de um dos principais centros de produção pecuária do Pantanal, segundo Luciano Leite, presidente do Sindicato Rural de Corumbá. “É uma obra imprescindível, que outros governos prometeram e não fizeram. Vai facilitar a retirada do gado e o abastecimento das fazendas em qualquer época do ano”, realça.

A implantação da estrada (10m de largura, dos quais 7m com base de cascalho) segue o cronograma, apesar das chuvas. O traçado foi aberto e limpo, saindo da MS-195 em direção ao Naitaca. O serviço de aterro, cujo nível oscila entre 1,40m a 4,0 metros, foi concluído em 23 km, dos quais 11 km já estão cascalhados e em condições de tráfego. Também estão em fase de conclusão as estruturas de drenagem (linhas de tubos em trechos de vazantes).

Fonte: Portal do MS

“Já enfrentamos muitas peripécias por aqui, mas agora ganhamos um benefício imensurável do governo”, afirma o fazendeiro Evaldo Gonçalves, 68, arrendatário das fazendas Bugio e Dona Celeste. “A gente estava completamente isolado, quando chovia o acesso era interrompido por atoleiros ou pela cheia, era muito sofrimento. Agora, com a estrada, vamos ter logística, o gado sofre menos e até as terras estão valorizadas”, conta o pantaneiro.

 

Notícias Relacionadas

Governo institui manual para reduzir atropelamento de animais silvestres nas rodovias

O Governo do Estado instituiu oficialmente o Manual de Orientações Técnicas, que visa reduzir o atropelamento de animais silvestres...